Os signos militares

O que é um signo? Das várias definições que o dicionário Aurélio traz, duas são importantes para esse texto. A primeira diz “Sinal, símbolo”. A outra carrega junto a si a legitimação da semiologia afirmando ser signo todo objeto, forma ou fenômeno, que representa algo distinto de si mesmo, como por exemplo, a cruz significando cristianismo. E qual a legitimidade desse signo? Apenas a que damos a ela! O símbolo só tem a força que nós, que o compreendemos, a atribuímos.

Em meio a um contexto de discussão sobre o julgamento das torturas do nosso Regime Militar, um companheiro da cidade resolveu levar a público esses questionamentos durante a passeata de 07 de setembro. Vestiu-se com uma roupa que parecia um traje militar e, buscando lembrar os tantos ilustres militares que aplicaram choques nas genitálias e nas línguas de muitos presos, vestiu uma máscara de demônio. Haveria analogia melhor? Agora esse cidadão corre o risco de ser processado pelo exército brasileiro. Pergunto: por quê?

O problema é a roupa militar? A máscara de demônio? Ora, são apenas símbolos, são significações palpáveis de uma discussão intelectual sobre a legitimidade dos procedimentos militares durante o período de ditadura! Ele feriu um signo militar? Não! Ele usou a liberdade de expressão, que hoje temos, para chamar a atenção para tantos seres humanos que o exército feriu e matou no passado. Liberdade! Parece que os militares realmente têm muito medo dessa palavra e do que ela significa.

Não é estranho ser tão fácil julgar alguém por questionar um signo, algo inerte e sem vida, ao mesmo tempo que parece tão absurdo julgar alguém que torturou e matou pessoas? Pessoas com sangue, sentimentos e sonhos. Talvez esteja mais do que na hora de por um fim ao nosso maior signo mundial de intolerância, autoritarismo e violência: os exércitos.

2 comentários:

felipe disse...

eu tenho "raiva", quando outras pessoas conseguem expressar num texto bem escrito o que eu penso e eu não...
HehEhe...

ótimo texto, podemos usá-lo no CASCA?
Não quer tocar mesmo? poderia ser um solo de Belchior...

:D

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.