A beleza da autonomia

Porque é tão difícil de acreditar na autonomia? Será que todos que estão fora dos meios oficias de comunicação têm uma aparência tão forte de incapazes? Algo que impossibilita alguém de acreditar na autonomia de um movimento social? Ou será uma vontade e necessidade gritante de fazer acreditar que se trata apenas um bando de otários inconseqüentes?

Como sempre não vou trazer nenhuma resposta nesse texto. No jornal Notícias do Dia de 27/06/08 há uma matéria que, sutilmente, encaminha o leitor a pensar que o vereador Adilson Mariano está comandando o movimento popular contrário ao aumento dos salários dos vereadores. O A Notícia segue a mesma linha, nas palavras de Jefferson Saavedra, colocando o vereador supracitado como líder das manifestações. O grande problema: simplesmente é mentira! Não há uma liderança nessa mobilização! Não há!

Eu tive a oportunidade de me pronunciar na rede RIC Record há alguns dias (na primeira manifestação que houve na Câmara) e, lembro-me bem, fui bem claro quando disse que a beleza de todo esse movimento era a sua autonomia. Não há padrão ideológico ditando as regras desse grupo, não há dogmas partidários apontando os caminhos a seguir: trata-se de um grupo que cansou de esperar algo dos representantes legais e resolveu chamar para si a responsabilidade.

Se os vereadores Mariano ou Marquinhos, os únicos que foram contrários ao aumento, quiserem se unir a esse movimento, ele é aberto, livre, independente, todos os que percebem como essa situação é absurda podem e devem participar. Mas antes devem deixar seus planos de tomada de poder e interesses eleitorais em casa, porque, nessas manifestações, só há espaço para quem quer construir um ambiente crítico de luta por ética e igualdade social.



Obs.: Importante dizer que esse texto não é uma opinião do movimento, e sim uma discussão pessoal sobre o assunto.

2 comentários:

H. disse...

Neander,
Ótimo texto.
À guisa de resposta: o engano cometido pelos jornais, políticos locais e outras personas da sociedade joinvilense é proposital - ou é isso ou nossos interlocutores são especialmente deficitários no quesito discernimento.
Abs.

foradelugar disse...

Salve
Gostei do texto e já posso ter idéia de como tudo está correndo por aí.
Gostaria de ficar sem informação do se passa, afinal estou longe e os pensamentos ficam por joinvas com essas informações.
Ainda vendo a comunidade da Historia e percebi tempestades e tipicas cobranças em relação ao CALHEV, até imagino de como anda o clima no corredor do bloco do A da Univille. Tenho receio, principalmente, pq o povo reclama, reclama e reclama e ao mesmo tempo não pega junto, ainda mais sendo a "diretoria" do calhev nas maos de poucas pessoas. Ai tem as correrias contra o aumento dos vereadores e outras demandas do C.A. Assim existe a possibilidades de oportunistas se portarem de criticas e mais criticas. Geralmente nesses momentos as pessoas do calhev nao estão preparados para se organizarem e tomarem posturas mais corretas.
Sei lá.
são impressoes de quem está longe e leu comentarios na comunidade do orkut e leu os blogs. E para ajudar sem opinioes pessoais de militantes sociais de fato.
;-)
Força nas suas observações e espero que o estagio esteja indo bem.
saudades.
maikon k.
www.vivonacidade.blogspot.com
sem acesso a net, por isso nao vou revisar