Idéias

Domenico di Masi já afirmou que o ócio é criativo. Não quero discutir profundamente esse livro, mesmo porque o li a quase seis anos e mal lembro de sua capa, mas às vezes essa afirmação parece valorosa.
Nesses dias parados que estou vivendo, algumas boas idéias tem surgido em minha cabecinha, ou ao menos julgo que sejam idéias positivas. Como exemplo disso tenho os novos sabores de bolo que tenho inventado (nenhum com sucesso até agora, mas não desisti) e um projeto de ensino que, a principio, seria muito bem aplicado em turmas de 8ª série do Ensino Fundamental e/ou 3º ano do Ensino Médio. Explico.

Até onde a minha breve pesquisa chegou, há apenas um livro que procura contar a história da cidade de Guaratuba, livro escrito pelo ex-prefeito Joaquim da Silva Mafra, muitos anos atrás. Não li a publicação, mas, independente de sua qualidade, acredito que a cidade mereça uma nova escrita sobre a sua história. Aí entra o projeto de ensino.
Se a melhor perspectiva de ensino é aquela que aproxima o tema do estudante, porque não, inseridos no contexto de Século XX por exemplo, fazer com que os estudantes escrevam a história da cidade? A idéia seria que, estudando a história do Brasil e do mundo, os alunos pesquizassem os reflexos desses momentos dentro da história da cidade e escrevessem sobre isso.
Trata-se só de um início de pensamento que, possivelmente, não terá fim. Não consigo pegar aulas para aplicar o projeto aqui e duvido muito que algum outro professor tenha tempo (ou interesse) de desenvolver-lo. Poderia fazer de maneira voluntária, mas corro o risco de ter que abandonar tudo no meio, visto que meus planos são sair da casa de papai e mamãe rapidamente e tomar meu rumo. Mas mesmo assim, ainda considero que pode vir a ser uma boa idéia.


Guaratuba vista do Morro do Pinto. Ainda na década de 60 um pedaço da Rua da Praia afundou e continua assim até hoje.

Ainda na década de 60 um pedaço da Rua da Praia afundou durante a noite. O buraco lá está até hoje.

Fonte das imagens: 40 anos do afundamento da Rua da Praia - 22 de setembro de 1968.

4 comentários:

Cibele disse...

caaaara! então aproveita e vira o popô ternes de guaratuba!!!

Anônimo disse...

caaara! se virar o ternes pescador de café vc nunca terá o meu coração livre.
hehehe
cara, vc deveri aler o livro do ex-prefeito e começar a estrurar um projeto, até mesmo para escrever um livro. quem pensar memórias dos pescadores daquela praia semi-=deserta, seria lindo.
eu te ajudo no que for preciso.
abraço
maikon k
p.s: a porf raquel levou dez janeiro nas pesquisas e escritura do seu livro sobre o falastério do Saí, somente tinha o mês de férioas para executar tudo. eu fosse vc fazia isso.
abraço (dinovo)
maikon k que vivonacidade.blogspot.com

o Cheff disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
o Cheff disse...

Se alguma receita der certo me envia para postar/degustar no blog.
Bem, quanto ao projeto, com riscos de abandoná-lo no meio ou não. Penso que é melhor ter algo para abandonar no meio do que "ver a vida passar".

Um puta abraço véio.

Ps: Valeu pelo comentário lá no http://www.degustandomemorias.blogspot.com/